5DIII © Joao Caldas Fº

Maior coincidência ou sincronicidade: um grande texto de Dario Fo, um dos melhores autores de teatro do século 20, está em cartaz em São Paulo no momento em que ele deixou esse mundo – esse gênio, único autor de comédias para teatro que ganhou o prêmio Nobel – o prêmio mais importante de literatura – morreu dia 13 de outubro de 2016.

dario-fo-cerimonia-laica-sabato-in-piazza-duomo-urh0p

(foto: stadio24.com)

 

Depois de 90 anos muito (muito mesmo!) bem vividos, esse ator e escritor italiano com um senso de humor gigantesco deixou centenas de textos e Morte acidental de um anarquista é um especialmente bom – ou foi especialmente bem montado nos anos 80 com o Antônio Fagundes – com enorme sucesso, no papel que o próprio Dario Fo fez na Itália – e agora está sendo especialmente bem feito pelo Dan Stulbach no espetáculo em cartaz no teatro Folha.

morte_acidental_anarquista_credito_joao_caldas_2

É ele mesmo, o Dan é aquele que fez aquela novela em que ele fazia um cara que batia na mulher. Com uma raquete. De tênis.

Só para esclarecer: foram pouquíssimas cenas em que o Dan (o personagem feito por ele, hein!) ameaçava de bater – ou se preparava para bater – na Helena Ranaldi (na personagem feita pela Helena, hein!). E foram apenas duas (2!) cenas em que ele estava com a raquete de tênis na mão.

Eu vi as duas montagens, e apesar de terem passado mais de 30 anos, eu ainda me lembro do Fagundes fazendo a plateia urrar de tanto rir. Uma proeza difícil de ser repetida. O Dan conseguiu.

5DIII © Joao Caldas Fº

5DIII © Joao Caldas Fº

Com um jeito bem diferente, mas usando as referências a notícias contemporâneas que têm a ver com o assunto da peça, ele tem uma comunicação direta com as pessoas que estão assistindo como poucos atores têm.

Ele não faz essa mágica sozinho. O Henrique Stroeter – que é o Perônio (da dupla Tíbio e Perônio) e o pai do Jaime (da novela Carrossel), entre muitos outros personagens no teatro e TV – está tão engraçado quanto o Dan, fazendo um delegado cafajeste, corrupto, violento e cretino, e os outros 3 atores – Riba Carlovich, Marcelo Castro e Maira Chasseraux não ficam atrás, os cinco formam o que em inglês chamam de ensemble, um elenco que funciona como um conjunto musical com todos no mesmo tom, com a mesma eficiência, a mesma qualidade.

Dario Fo era um ator que era autor ou vice versa, e estava sempre reescrevendo suas peças, porque estava sempre encenando e fazendo os principais papéis – o que outros atores, como o Shakespeare também faziam.

21120149

A versão que está no teatro Folha é uma novíssima de Morte Acidental de um Anarquista, que conta uma história real e é uma rara oportunidade de se rir durante uma hora meia sem parar – sem as besteiradas, idiotices e cretinices que tem sobrando na internet – e ainda por cima relacionando um caso policial verídico com barbaridades que ainda acontecem na cidade, no país, no mundo que a gente vive.

Para completar, a trilha sonora é feita ao vivo por um sujeito chamado Roberto Geribello, que além de ser um pianista absurdamente virtuoso, toca vinhetas musicais num piano eletrônico – sem nenhum truque – e faz ruídos e barulhos com a boca que acabam de deixar o espetáculo original e divertido.

 

anarq

Teatro Folha
Shopping Higienopolis – São Paulo/SP

Temporada:até 18 de dezembro / de sexta a domingo 
Mais Informações

MariMoon é a primeira blogueira famosa do Brasil(2003) e o primeiro nome da internet a sair da web para a televisão(2008). Se tornou celebridade, teve uma das primeiras lojas onlines de moda do Brasil, foi VJ da Mtv por 5 anos, ganhou prêmios como apresentadora e por seu estilo fashion.

MariMoon é a primeira blogueira famosa do Brasil(2003) e o primeiro nome da internet a sair da web para a televisão(2008). Se tornou celebridade, teve uma das primeiras lojas onlines de moda do Brasil, foi VJ da Mtv por 5 anos, ganhou prêmios como apresentadora e por seu estilo fashion.